Nesta terça-feira (9), o movimento receberá reforço do interior do estado. A concentração terá início às 9h na Praça 19 de Dezembro, a Praça do Homem Nu e da Mulher Nu, no Centro de Curitiba.

A intenção do funcionalismo público é marchar até o Palácio Iguaçu, sede do executivo estadual, que fica a 1,28 km da concentração.


Ao menos oito categorias estão em greve no Paraná, dentre as quais professores e funcionários de escolas; associações de policiais civis e PMs; médicos e enfermeiros; trabalhadores da Emater, etc.

O funcionalismo representado pelo Fórum das Entidades Sindicais (FES) reivindica o pagamento de 4,94%, referente a inflação dos últimos 12 meses, mais negociação dos atrasados. Os servidores públicos estão reposição desde 2016 e as perdas acumuladas passam de 17%.

Além dos servidores públicos estaduais, os estudantes também anunciaram “greve estudantil” a partir desta segunda-feira (8) por tempo indeterminado.

Em um comunicado, alunos do Colégio Estadual do Paraná (CEP), o maior do estado, dizem que irão parar em apoio à greve dos professores e demais servidores públicos, mas também em defesa das próprias reivindicações:


– Contra a Lei da Mordaça;

– Contra a Militarização nas escolas;

– Contra a Exclusão de Matrículas de Estudantes; e

– Pela permanência da Autonomia dos Grêmios Estudantis.

Ou seja, a greve vai engolindo Ratinho.

Os grevistas se armam de argumentos técnicos para emparedar o governador e angariar apoio na sociedade, a exemplo do estudo do Dieese.

De acordo com o órgão, em 2019 a renúncia de receita prevista é de R$ 10,5 bilhões, o que equivale a 27,5% da Receita Corrente Líquida (RCL). Esse valor daria para pagar três vezes a data-base dos servidores em greve.

Ainda de acordo com o Dieese, em cinco anos a renúncia pode chegar a R$ 55,3 bilhões.

INFORMAÇÕES DO BLOG DO ISMAEL

Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top