Levantamento elaborado pela FAEP aponta agropecuária como a maior fonte de geração de riquezas para municípios paranaenses

Não é de hoje que o agropecuarista Anselmo Coutinho Machado vive da terra. Nascido e criado no campo, há três décadas ele e sua família se fixaram em Pitanga, na região Centro-Sul do Paraná, onde mantêm uma propriedade de 270 hectares. Ali, se dedicam à pecuária integrada à agricultura – criam bovinos e produzem soja. O trabalho familiar também gera emprego: são dois funcionários fixos. Produtores rurais como Machado se contam às dezenas no município. Não é para menos. A agropecuária é a atividade econômica mais importante da microrregião, respondendo por 58,3% do que Pitanga produz.

“[A agropecuária] é o motor da nossa economia e a nossa vocação. As indústrias estão na periferia das grandes cidades. Então, aqui na região central, o campo tem um significado muito importante. Se não é a agropecuária em si, são as cooperativas e as agroindústrias que puxam a economia”, observa Machado.

A percepção do produtor rural vai ao encontro de um estudo recém-elaborado pelo Departamento Técnico Econômico (DTE) da FAEP, que dimensiona o real peso que o campo tem para cada um dos 399 municípios do Paraná. E o resultado é bastante expressivo: o setor primário (produção agropecuária) representa mais da metade das riquezas geradas em 234 municípios. Em 125 deles, a importância é ainda mais significativa: mais de 70% do que produzem provêm do meio rural.

O levantamento partiu do Valor Adicionado Fiscal (VAF), um índice apurado pela Secretaria da Fazenda do Estado do Paraná que mede os recursos gerados por cada um dos setores da economia – agropecuária, indústria e comércio – em cada cidade. O indicador é usado pelo governo estadual para definir a cota que o município vai receber como repasse do ICMS arrecadado. “Esse Valor Adicionado Fiscal é calculado com objetivo de verificar a geração de riqueza em cada município, nos três setores da economia. O índice mostra que, para a maior parte dos municípios do Paraná, a agropecuária é o setor que tem mais peso”, ressalta Luiz Eliezer Ferreira, economista da FAEP.

Ponto de partida
O trabalho realizado pela FAEP teve como ponto de partida um pedido do Sindicato Rural de Ivaiporã, que solicitou um diagnóstico do impacto econômico que a agropecuária exerce na cidade. Na
ocasião, em conjunto com outras entidades rurais, o Sindicato participava das discussões do plano diretor do município, mas percebeu que o setor estava sendo deixado de lado na elaboração de
políticas públicas, sob o argumento de que o campo talvez não fosse tão importante para a comunidade local. Os dados, no entanto, apontaram que o setor primário é responsável por mais de 42% das riquezas geradas em Ivaiporã, o que corresponde a R$ 165,6 milhões. “A partir desses números, a gente pretende cobrar o prefeito, no sentido de que olhe mais para o campo, que dê condições para que o homem do campo consiga formar suas agroindústrias e que tenha mais infraestrutura”, diz o presidente do Sindicato Rural, Lourival de Góes.

Do grande ao pequeno 
A importância fica ainda mais evidente em pequenos municípios, que dependem quase que exclusivamente do agronegócio. Ariranha do Ivaí, cidade de 2,5 mil habitantes, localizada no Norte-
-Central do Paraná, proporcionalmente é o nono município em que o campo tem mais peso. A produção rural representa 88,6% das riquezas geradas por ali. Em torno da agropecuária, gravitam a indústria e o comércio locais, com participações bem menores – respectivamente, de 6% e 5,4%.

Os números revelam o que os produtores rurais do município já sabiam na prática. O agricultor Renan Petrasse mora com a mulher e com os pais em uma propriedade de pouco mais de 200 hectares, da qual retiram o sustento. A família já chegou a se dedicar à pecuária leiteira, mas, após a análise do desempenho do negócio, decidiu se focar exclusivamente à lavoura. Hoje, plantam principalmente soja, milho e trigo.

“O que gira em Ariranha [do Ivaí] é a agricultura e a pecuária. Se não fosse o campo, a cidade estava morta. E não é só aqui. Nos municípios em volta também. Ivaiporã, Manoel Ribas... é tudo assim”, aponta Petrasse.

Os pais de Renan, José Carlos e Rita de Cássia Petrasse, reconhecem há décadas a dependência que a cidade tem da produção agropecuária, em uma dinâmica que eles sabem decor: quando o campo vai bem, a cidade vai ainda melhor. “Se agricultura e a pecuária vão mal, os outros setores padecem. Se gear, acaba com o trigo e não tem dinheiro girando. O comércio pode até ter roupa de frio para vender, mas não tem quem compre. Todo mundo sofre, porque todo mundo depende da gente”, exemplifica Rita de Cássia.

Engana-se quem pensa que a força se concentra nas mãos apenas de grandes produtores, cooperativas e/ou agroindústrias. Como se vê, os pequenos e médios agricultores e/ou pecuaristas, perfil da maioria do setor no Paraná, também têm uma participação significativa na movimentação da economia e na geração de riquezas e de renda. Isso faz com que mais famílias tenham seu ganha-pão no campo, com culturas das mais diversificadas.

LEIA A MATÉRIA COMPLETA AQUI

a
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top