O Brasil teve um aumento de 83% nas notificações gerais de violências sexuais contra crianças e adolescentes, segundo boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde. A maioria das ocorrências, tanto com crianças quanto com adolescentes, ocorreu dentro de casa e os agressores são pessoas do convívio das vítimas, geralmente familiares. 

O Ministério da Saúde considera violência sexual os casos de assédio, estupro, pornografia infantil e exploração sexual. Dentre as violências sofridas por crianças e adolescentes, o tipo mais notificado foi o estupro (62,0% em crianças e 70,4% em adolescentes). 

Pela lei brasileira o estupro é classificado como o ato de “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”. Segundo o boletim do Ministério da Saúde, a ocorrência do estupro provoca diversas repercussões na saúde física, mental e sexual de crianças e adolescentes, além de aumentar a vulnerabilidade às violências na vida adulta. 

A Psicóloga Kelly Rebesco deixa algumas dicas para que tomemos alguns cuidados com nossos filhos, para que não se tornem mais uma vitima nas estatísticas deste tipo de crime! 

1: avisar a filha, pra ela não se sentar no colo de ninguém, não importa a situação, incluindo os tios. 

2: Evite se vestir na frente de seu filho a partir dos 2 anos de idade dele. 

3. Nunca permita que qualquer adulto refira-se ao seu filho como " minha esposa " ou " meu marido " 

4. Sempre que o seu filho sai para jogar com os amigos, certifique-se de que você está procurando uma maneira de descobrir que tipo de jogo que eles fazem, porque os jovens agora abusam sexualmente de si mesmos. 

5. Nunca faça seu filho visitar qualquer adulto que ele ou ela não se sente confortável com, e também estar atento se o seu filho chega a ser muito fã de um adulto em particular. 

6. Uma vez que um menino muito alegre de repente se torna acanhado. É possível que tenha que pedir paciência e esclarecer algumas perguntas sobre o porque da sua conduta. 

7. Educar cuidadosamente sobre os valores corretos da sexualidade. Se não o fizer, a sociedade vai ensinar-lhes os valores errados. 

8: é sempre aconselhável ir através de qualquer novo material como os desenhos animados que acabou de comprar para eles antes de começar a ver eles mesmos. 

9. Certifique-se de ativar os controles parentais em suas redes sociais e conselhos aos seus amigos, principalmente que sua criança (s) Visita (s) muitas vezes. 

10. Ensine seus filhos a partir dos 3 anos como lavar suas partes íntimas corretamente, e avisá-los para não permitir nunca que ninguém toque nessas áreas (lembre-se, a caridade começa em casa e com você). 

11: afaste alguns materiais associados que você acha que poderia pôr em perigo a saúde mental do seu filho (isso inclui música, filmes e até mesmo amigos e famílias). 

12: uma vez que seu filho se queixa de uma pessoa em particular, não mantenha silêncio sobre o assunto. 

Lembre-se, nós somos os pais criando futuros pais. 

E lembre-se: "a dor dura toda a vida". 



Psicóloga Kelly Rebesco
Reações:

Postar um comentário

 
Top