Semana de prevenção de acidentes mostra a importância das percepções para evitar ameaças à segurança no trabalho


A Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho de 2018 (Sipat) da Capal Cooperativa Agroindustrial, em novembro, mostrou para seus funcionários que a precaução começa com um conjunto de ferramentas que as pessoas nem se dão conta da existência. As percepções humanas. Guiadas pelos cinco principais sentidos do corpo humano, elas podem ser o gatilho para evitar situações de perigo.

Logo na abertura do Sipat, na matriz em Arapoti (PR), o diretor-presidente da Cooperativa, Erik Bosch, lembrou sobre a importância da calma nas ações cotidianas. “Quando fazemos as nossas atividades com pressa, corremos um risco muito maior, por isso é necessário trabalhar com cautela, ter planejamento e atenção ao trabalho que deve ser realizado”, analisou.

Para ilustrar como é fundamental estar sempre atento, os colaboradores da Cooperativa participaram do Túnel das Percepções, uma experiência simples, imersiva e esclarecedora. A ação serviu para mostrar como funcionam a audição, o olfato, o olhar, o paladar e o tato. As sensações proporcionadas durante a atividade como, por exemplo, experimentar um alimento com nariz tampado e não sentir nenhum sabor, deixam claro como a mente pode pregar peças. Portanto, é fundamental ter todos os sentidos aguçados em prol da segurança. “Muitas vezes não percebemos como nossa percepção funciona e nos ajuda. No caso dos cheiros, eles podem ser a indicação da ocorrência de um incêndio ou vazamento de gás”, completa a coordenadora de Recursos Humanos da Capal, Eliane Andreani.

As percepções se mantiveram presentes nas palestras diárias da Sipat 2018, que se voltaram ao treinamento da mente dos funcionários da Cooperativa. Os temas abordados foram: Comportamento Seguro, O Poder da Atenção, além do show Balão do Sipat, um quiz de perguntas e respostas para estimular a prevenção por meio de uma competição.

O estímulo de sensações continuou a ser explorado em uma simulação de acidente de trânsito, entre um carro e uma moto, em frente à Associação de Funcionários Capal (Asfuca), em Arapoti. Um boneco, feito com papel de jornal e roupas, simulou um corpo jogado no chão. O choque causado pela cena dispensou qualquer outro tipo de alerta para os perigos de uma direção agressiva, principalmente quando envolve motocicletas.

Colaboradores que trabalham nas demais filiais da Cooperativa, em Itararé, Taquarivaí, Taquarituba (SP), Wenceslau Braz, Curiúva (PR) e tiveram seus sentidos desafiados na apresentação de mágica: Sumindo com os Acidentes. Eles ainda tiveram a oportunidade de assistir a uma palestra sobre a importância da saúde bucal, que chamou a atenção para o fato de que até mesmo os cuidados com a parte do corpo responsável pelo paladar refletem diretamente na saúde.

Para Eliane, as atividades provocativas são uma forma de a Cooperativa mostrar que para ter um ambiente de trabalho salubre, é necessário modificar a maneira como as pessoas pensam. Afinal, a mente e as percepções humanas são recursos importantes na prevenção de acidentes, mas também estão suscetíveis às consequências deles. “Todo acidente causa um estresse, e consequentemente, traz impactos psicológicos”, avalia.

Sobre a Capal

Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com quase 3 mil associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da Cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil ha.
Reações:

Postar um comentário

 
Top