A Secretaria de Estado da Saúde lançou nesta quarta-feira uma campanha para incentivar a destinação correta de medicamentos vencidos ou sem uso. A ideia é conscientizar a população de que medicamentos não são como o lixo comum, e devem ser descartados de forma específica. 

Uma lei estadual de 2012 define que os estabelecimentos que vendem ou distribuem medicamentos são responsáveis pelo recebimento de medicamentos sem uso. Depois, os produtos são repassados para os fabricantes, que cuidam da destinação final. Diversas farmácias já atendem a esta norma, e a intenção é ampliar esta rede com a campanha. 


Durante 60 dias, 250 pontos de coleta de medicamentos vencidos ou fora de uso permanecem em 92 municípios do Estado. Participam 209 farmácias privadas e 9 farmácias públicas. De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Antônio Carlos Nardi, a campanha envolve, além do Governo Estadual, a participação direta de comerciantes e da população no processo de orientação.

Segundo o chefe do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, Paulo Santana, além da campanha, outras ações estão em andamento para fortalecer a logística reversa de medicamentos no Estado. É perigoso descartar medicamentes no lixo comum ou pelo esgoto, pois as substâncias químicas, biológicas e hormonais possuem alto poder de contaminação. 


Desta forma, jogar o remédio fora de qualquer jeito pode afetar todo o meio ambiente e até a água que bebemos, já que as substâncias chegam até os lençóis freáticos, rios e lagos. A campanha estadual de conscientização é realizada em um acordo firmado entre o Estado, por meio das secretarias da Saúde e do Meio Ambiente, e o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo, Sindusfarma, e Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado do Paraná, Sindifarma. (Repórter: Rodrigo Arend)
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top