Se no ano de 2017 o agronegócio foi o protagonista da recuperação econômica do Brasil, com grande participação no PIB, geração de empregos e bons resultados na exportação, em 2018 o objetivo é intensificar esses ganhos. Com foco nas melhoras em setores como logística e infraestrutura, imagem e manutenção da credibilidade do produto brasileiro além de novos acordos comerciais com outros países estão na pauta da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para 2018.

Alguns episódios atingiram a credibilidade de importantes pilares da agropecuária do Brasil em 2017. Foi o caso da “Operação Carne Fraca”, que colocou em cheque a qualidade da carne produzida no Brasil. A delação dos irmãos Batista, donos da JBS, para a Operação Lava Jato fizeram o preço da commoditie despencar. Por isso, a CNA pretende fazer ações que fortaleçam a imagem do país em mais de 20 países.

A estratégia está diretamente ligada ao interesse da CNA em expandir a rede de países que consomem os produtos brasileiros, por meio de novos acordos comerciais. Depois de bons números na exportação em 2017, como a quebra de recordes de exportação em novembro, a CNA pretende trabalhar em novas alianças comerciais. Lígia Dutra é superintendente de Relações Internacionais da CNA e comenta que firmar acordos internacionais com países como Coréia do Sul, Japão e México são uma das prioridades da CNA para o ano que vem.

“Apesar de sermos o quarto maior exportador mundial de alimentos, nós ainda temos pouco acesso a mercados estrangeiros. Se tivéssemos melhores condições de acesso, isso significa acordos com redução tarifária ou redução de barreiras sanitárias e outras, nós teríamos um potencial de exportação muito maior.”

Outro fator importante que a CNA pretende trabalhar em 2018 é a melhora na logística para os produtores. A confederação espera que sejam investidos cerca de R$ 2 bilhões, vindos de da iniciativa privada, em 15 concessões portuárias. A CNA ainda espera a concessão de duas rodovias, a BR-153 e 364, principais rotas de escoamento da produção de grãos de Rondônia, Mato Grosso e Tocantins.

Com a colaboração de Raphael Costa, reportagem Jalila Arabi
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top