O governo e a base aliada tem se reunido nos últimos dias para tratar de assuntos estratégicos. O principal deles é a Reforma da Previdência, que na visão dos governistas precisa ser aprovada ainda este ano para evitar um colapso. Nesta quinta-feira (9), o ministro da Fazenda Henrique Meirelles garantiu que a aprovação da reforma é prioridade número um do governo. Ele se encontrou em um café da manhã com o presidente Michel Temer, o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), ministros e parlamentares da base aliada para discutir o assunto. Segundo Meirelles, o cenário econômico atual requer que mudanças na previdência sejam feitas de imediato.


“A questão é que concluiu, de fato, o entendimento de que é necessário se votarmos a Reforma da Previdência e encaminhar o mais rápido possível. Fiz uma explanação bastante enfática e clara mostrando a necessidade da Reforma da Previdência. Por quê? Exatamente por que a Reforma da Previdência não é uma questão de opinião, sou a favor, sou contra. Reforma da Previdência é uma necessidade”.

Segundo o ministro, a intenção é buscar um consenso sobre alguns pontos da reforma, entre eles a questão da idade mínima dos contribuintes e o valor máximo da aposentadoria de servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada. No encontro, realizado na residência oficial do presidente da Câmara, a base aliada prometeu pressionar os parlamentares para garantir aprovação da reforma.

Em vídeo divulgado no Twitter na terça-feira (7), o presidente Michel Temer pediu apoio aos cidadãos brasileiros para aprovar a Reforma da Previdência, em tramitação no Congresso Nacional. Depois de reuniões com líderes da Câmara dos Deputados e do Senado nesta semana, o governo já admite mudanças no texto da reforma para que, pelo menos, parte dela seja aprovada ainda este ano. Como se trata de emenda Constitucional, para aprovar a reforma na Câmara serão necessários, pelo menos, 308 votos favoráveis.

Reportagem, Tácido Rodrigues
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top