O Paraná é o primeiro Estado do Brasil a criar um projeto de responsabilidade social e ambiental que unifica as ações do governo estadual e estrutura os municípios para implantarem a coleta seletiva de resíduos sólidos. Cento e vinte municípios já foram beneficiados desde 2015 com a criação do Sistema Integrado de Coleta Seletiva (Reciclo Paraná).


A meta é atender todos os 399 paranaenses municípios até o final de 2018. Em três anos, o Estado já liberou R$ 60 milhões para compra de caminhões específicos para coleta, maquinários para separação dos resíduos e conjuntos de carrinhos de coleta e cestos de lixo reciclável. Só neste ano foram atendidos 87 municípios, com R$ 22 milhões. O programa é coordenado pelo Instituto das Águas Paraná, que atua junto com a Sanepar e o Programa de Voluntariado do Paraná (Provopar).

Além de estruturar os municípios, o Reciclo Paraná também envolve ações de educação ambiental e de capacitação dos catadores. Com apoio da Sanepar, Provopar e da Itaipu Binacional, eles recebem cursos e palestras sobre organização administrativa, física e comercial. Também são realizadas campanhas de conscientização junto à população para a separação diária do lixo.

“Na última fase, orientamos e incentivamos os municípios para que façam a concessão do sistema de coleta seletiva por 20 anos para a cooperativa ou associação de catadores. Isso garantirá que haja continuidade do projeto, mesmo com trocas de governo”, explica o presidente do Instituto Águas Paraná, Iram Rezende.

“É o programa com maior amplitude do país, pois propõe uma solução definitiva para a coleta seletiva e trabalha a questão como política pública. Temos um ciclo completo, com ganhos sociais e ambientais muito grande”, afirma Rezende.

CONTRAPARTIDA – Como contrapartida às ações do Governo Estadual, o município constrói barracões para abrigar a unidade de processamento dos materiais e se responsabiliza pela manutenção dos equipamentos e organização da cooperativa de catadores, que vai administrar a compra e venda dos materiais reciclados.

Programa garante mais emprego e renda às famílias de catadores
O programa também gera emprego, aumenta a renda das famílias de catadores e melhora as condições de trabalho. Eles passam a ser recicladores, pois a coleta dos materiais de porta em porta é feita exclusivamente pelo caminhão. “Como o volume de materiais entregue nos barracões é superior ao coletado individualmente, as venda são mais substanciais”, diz o presidente do Instituto das Águas. “Com a coleta regular, os cidadãos se sentem motivados a participar da separação do lixo. É um ciclo completo.”

Em Sertanópolis (Norte) cerca de 27% do resíduo produzido é reciclado - um total de 40 toneladas por mês. A previsão é aumentar em 25% o volume. A cidade já recebeu o caminhão e está prestes a instalar os novos equipamentos de triagem doados pelo Governo. “Assim que estejam funcionando esperamos chegar perto de 35%. Vamos aumentar o volume de material triado, a renda das famílias que já trabalham com a reciclagem e abrir novas vagas na cooperativa”, disse o secretário municipal de Meio Ambiente, Agricultura e Vigilância Sanitária, Bruno Brocoli. Hoje 10 famílias trabalham na cooperativa e a renda média mensal dos recicladores é R$ 1300,00.

Guaratuba, no Litoral, também é conveniada ao Reciclo Paraná e com o apoio do governo implantou o projeto de reciclagem de plásticos utilizados na produção de banana que antes era descartado no lixo convencional. “Com o caminhão conseguimos atender as áreas agrícolas. Coletamos os plásticos da produção de bananas, levamos até a usina de reciclagem e convertemos em renda para as pessoas”, afirmou.

Desde a adoção do programa cinco novas famílias passaram a ter renda integral pela coleta seletiva. “Guaratuba tem uma sazonalidade muito grande de população, passamos de 40 mil para 300 mil pessoas na temporada e mesmo assim consegue absorver a demanda do lixo com muita qualidade”, diz o prefeito Roberto Justus.
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top