Torcedor, essa semana será importantíssima para futebol brasileiro. Na quarta-feira (29), Lanús e Grêmio decidem a Libertadores e a expectativa é de um jogo tenso.

O placar de um a zero, que o Tricolor Gaúcho leva à campo, é convite irrecusável para o Lanús partir com tudo para o ataque. Vai levar com ele a torcida argentina, o clima “quente” dos bastidores e terá a seu favor, muito provavelmente, as incompetências comuns da arbitragem. 

O Grêmio foi prejudicado pela arbitragem no primeiro jogo da decisão e, se não bastasse as falhas bisonhas dos assopradores de apito naquela partida, a Conmebol, inexplicavelmente, escalou para o segundo jogo da finalíssima um árbitro argentino para compor a equipe de juízes. 

O arbitro portenho, Hector Baldassi, vai trabalhar na decisão da Libertadores como assessor internacional. Sim. Na cara dura, a Confederação Sul-Americana de Futebol escalou um juiz para atuar na final da Libertadores do mesmo país de um dos clubes finalistas da competição. 

A medida fere o regulamento da Libertadores claramente. Porém, até agora, ninguém conseguiu fazer nada que pudesse reverter a decisão da Conmebol, ou seja, o Grêmio vai lutar pelo título contra o Lanús, a torcida, contra os argentinos e a arbitragem. 

A Conmebol cria uma situação covarde, de total insegurança e parcialidade que vai beneficiar o time argentino. O pior de tudo é que, o Grêmio vai estar sozinho nessa guerra porque quem podia ajudá-lo não o fará, ou seja, a Confederação Brasileira de Futebol, a CBF.

A entidade perdeu inteiramente sua representatividade na política do futebol, na defesa dos times brasileiros e da Seleção. A CBF é comandada por um senhor atolado em supostos atos corruptos, no Caso FIFA, e investigado pela Justiça americana.

Marco Polo Del Nero está impedido de sair do país sob o risco de ser preso pelo FBI e, sendo assim, como ele poderá defender o Grêmio? E, mesmo se pudesse, quem iria ouvi-lo? Que moral tem uma pessoa acusada de cometer crimes na defesa de outra. Nesse caso, na defesa de um gigante, o Grêmio? Del Nero? Sem chance. 

As supostas más condutas dos últimos presidentes da CBF, Ricardo Teixeira e José Maria Marin, além do atual, Marco Polo Del Nero, já estão prejudicando os times brasileiros no campo de jogo. Estamos à deriva. 

O futebol brasileiro está sem comando e representatividade. Ao Grêmio resta apenas ser corajoso para na bola e, apenas, com ela, conquistar a Libertadores.

Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top