A previdência do estado do Paraná está operando no vermelho. De acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, em 2015, o estado já operava com um déficit de 13 a 19,5 por cento da receita líquida. Isso significa que o governo não está conseguindo arrecadar recursos suficientes para pagar as aposentadorias e pensões dos paranaenses. Para que essa situação seja corrigida no país, o Governo Federal propôs uma reforma nas regras atuais de aposentadoria do brasileiro. Na avaliação do Deputado Federal Reinhold Stephanes (PSD-PR), a medida é necessária para a economia. 

“Nós estamos cada vez mais gastando o dinheiro do Orçamento, dos impostos da população, para pagar a Previdência Social. Ou seja: daqui a pouco, nós não vamos ter mais recursos para dar saúde, educação e segurança pública, além de outras despesas e investimentos que precisam ser feitos para o Brasil crescer.”

O parlamentar Reinhold Stephanes considera, ainda, que a aprovação da proposta do Governo Federal é necessária para que o dinheiro não acabe para as pessoas que já estão aposentadas.

“Chegará também o momento em que nós não vamos ter dinheiro para pagar aqueles que já estão aposentados. Quer dizer, então além de nós investirmos menos em saúde, educação e segurança, nós também não vamos ter dinheiro para pagar os aposentados. Que é mais ou menos o que está acontecendo no Rio de Janeiro, já está acontecendo no Rio Grande do Sul e vai acontecer em mais dois ou três estados logo, logo. Então é melhor a gente prevenir e ver como essa conta vai fechar no futuro.”

De acordo com projeção feita pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda, o déficit da previdência do país deve chegar a R$ 181 bilhões em 2017. O economista do Departamento de Assuntos Fiscais e Sociais do Ministério do Planejamento, Armando Lima, explica que – com a aprovação da medida – será possível otimizar os gastos do governo.

“Poderemos investir mais em saúde e educação, especialmente na primeira infância. Para que, no futuro, ele tenha condições melhores de inclusão previdenciária. Então a “não reforma” não é uma opção. E não reformar seria transferir uma responsabilidade para os nossos filhos e netos e não é isso que a gente quer fazer”.

A Proposta de Emenda à Constituição apresentada pelo Governo prevê, entre outras coisas, que a aposentadoria seja concedida para homens e mulheres a partir de 65 anos de idade. Para ter o direito de se aposentar, o trabalhador vai ter que ter contribuído por, pelo menos, 25 anos. Apesar das mudanças, a alteração não vai ocorrer de maneira radical. Há uma regra de transição que não afeta o benefício das pessoas já aposentadas. Além disso, se aprovada, a medida vai valer apenas para homens com menos de 50 anos e para mulheres com menos de 45 anos de idade.



Reportagem, Bruna Goularte
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top