As vendas do comércio varejista tiveram uma queda de 6,2 por cento em 2016. É o maior recuo registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, desde que o indicador começou a ser medido, em 2001. O desempenho insatisfatório do setor teve como principal destaque negativo o recuo de 3,1 por cento do setor de hipermercados, supermercados, alimentos, bebidas e fumo. 

O presidente do Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Sul (Corecon-RS), Clóvis Meurer, avalia que a queda da atividade econômica e o aumento no número de desempregados no Brasil influenciaram na diminuição das compras da população. Além disso, o economista também explica que, por causa da crise, os brasileiros começaram a ganhar menos, o que também influenciou o índice.

“Tem dois fatores aí. Não só a queda do emprego, mas também a mudança do tamanho da renda de cada um. Ou seja: aquele empregado que ainda manteve o emprego, ou perdeu um emprego, mas trocou por outro e, na estatística continua sendo uma pessoa empregada... Mas na verdade essa pessoa diminuiu a sua renda. Houve então, nesse período todo uma queda no número de empregados, como também uma queda na renda per capta do empregado. Consequentemente a queda do consumo é natural”.

Ainda de acordo com o economista Clóvis Meurer, apesar da melhora observada no cenário econômico nos últimos meses – com a diminuição da inflação e da taxa básica de juros – não se pode projetar, ainda, um aumento das compras no varejo no Brasil.

“Você tem uma clara sinalização de uma queda da taxa de juros. Você tem alguns indicadores: queda da inflação, queda da taxa de juros, pequena recuperação do PIB... Esse cenário permite que a gente vislumbre dias melhores. Mas traduzir isso para um aumento de consumo ainda é muito prematuro. Podemos falar em parar de cair, ou seja: quem sabe a queda não tenha continuidade daqui para frente.”

Ainda de acordo com o IBGE, no acumulado de 2016, o houve uma redução no volume de vendas em 26 dos 27 estados brasileiros. O destaque foi o Amapá, que teve um recuo de 18 por cento, o Pará que recuou 13 por cento e Rondônia e Bahia, que apresentaram recuo de 12 por cento. O único estado que mostrou um avanço das vendas em 2016 foi Roraima.

Reportagem, Bruna Goularte
Reações:

Postar um comentário

 
Top