Doença transmitida em época de temporais, traz sérios riscos à saúde e pode levar à doença renal crônica



Nesta época do ano, a chegada das chuvas traz o risco de contaminação de leptospirose. Esta é uma doença infecciosa e causada por uma bactéria chamada Leptospira, presente na urina de ratos e outros animais, transmitida ao homem ao ingerir água ou alimentos contaminados. O lixo jogado indevidamente nas ruas e terrenos baldios que favorecem o aumento da Leptospira. 

A Dra. Sirlete Carvalho Rezende, médica da Fundação Pró-Rim, alerta que quando uma pessoa entra em contato com água contaminada, urina de ratos ou de outros animais, o ideal é buscar atendimento médico imediato. “É possível realizar testes rápidos com resultados disponíveis em 15 minutos”, destaca. 

Apesar da maioria dos casos de a doença ter cura após o tratamento adequado, as pessoas que tiveram contato com a água contaminada devem ficar atentas para os principais sintomas da doença, como febre, cefaleia, dor muscular, falta de apetite, náuseas e vômitos. 

Algumas das complicações da Leptospirose pode levar a hemorragias graves, insuficiência respiratória, arritmias cardíacas, miocardite, insuficiência cardíaca congestiva e pancreatite aguda. 

Outro problema grave que pode ocorrer é a insuficiência renal aguda. “O envolvimento renal torna-se relevante na doença de Weil, tipo mais severo da enfermidade. Além do comprometimento renal o paciente pode apresentar icterícia, hemorragia pulmonar difusa, edema pulmonar e insuficiência respiratória aguda. A injúria renal aguda pode ocorrer ente 10 a 80% dos casos de leptospirose e está associada à maior mortalidade com necessidade de tratamento”, alerta a médica. 

O tratamento, segundo a especialista, é por meio de antibióticos, eficazes tanto na fase inicial, quanto na fase tardia da doença. “Nos casos de envolvimento renal está indicado a realização de hemodiálise. Em casos de implicações pulmonares, deve-se considerar a necessidade de ventilação artificial para proteção das vias aéreas”, finaliza. 

Dados da Doença 
Segundo o Ministério da Saúde, existem registros da doença em todo o país, com um maior número de casos nas regiões sul e sudeste. Entre os casos confirmados, o sexo masculino com faixa etária entre 20 e 49 anos estão entre os mais atingidos, embora não exista uma predisposição de gênero ou de idade para contrair a infecção.
Reações:

Postar um comentário

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do VOZ DO POVO. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O VOZ DO POVO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

 
Top