O valor do salário mínimo passou de R$ 880,00 para R$937,00 e começa a valer a partir do dia 1º de janeiro de 2017. De acordo com o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, o reajuste significa um aumento de 38 bilhões e 600 milhões da massa salarial em 2017.

Esse valor representa 0,62% do Produto Interno Bruto, o PIB, e segundo o governo, vai ter efeitos positivos na retomada do consumo e do crescimento econômico ao longo do ano.
Diferentemente do que pensa o membro do Conselho Regional de Economia, Newton Marques, que acredita que este valor é inapropriado para este momento de recessão.

“Quando a economia está crescendo e você repassa este reajuste ela é absorvida, mas quando tem um reajuste real para uma economia em recessão ou em desaceleração existe uma dificuldade muito grande por parte do empresariado para repassar isto para o preço final. E isso causa o quê? Causa desemprego, subemprego, cria distorções dentro da economia.”

Antes de anunciar o novo valor do salário mínimo, o Congresso Nacional havia aprovado o Orçamento Geral da União para 2017 estabelecendo o salário mínimo para R$945,80. Mas, agora, no anúncio oficial, Michel Temer estipulou um valor menor.

A justificativa, de acordo com o governo, está no Índice Nacional de Preços ao Consumidor, pois a estimativa para a inflação pelo INPC em 2016, usada no cálculo do reajuste, ficou em 6,74%, ou seja, menor do que a previsão de 7,5% estimada em outubro.

Atualmente, para calcular o reajuste do salário mínimo, o governo soma a variação do INPC do ano anterior ao resultado do PIB de dois anos antes. A fórmula aplicada não permite que haja uma variação negativa no salário mínimo.
Reações:

Postar um comentário

 
Top