A nova fábrica da Klabin, em Ortigueira, que esta sendo inaugurada hoje terça-feira (28), vai impulsionar a arrecadação de 12 municípios do Norte Pioneiro e dos Campos Gerais. O convênio assinado pelo Governo do Paraná e municípios com a fabricante de papel e celulose, estabeleceu, pela primeira vez no Estado, um mecanismo de partilha da cota parte de ICMS. O investimento da Klabin, de R$ 8,5 bilhões, é o maior da história do Estado e a nova fábrica, que começou a produzir celulose em março, gera 1,4 mil empregos diretos e indiretos. 

Pelo convênio assinado entre a empresa e o Governo do Paraná, Ortigueira, onde se localiza a nova fábrica, ficará com 50% da cota parte do ICMS gerado pelo empreendimento. Os outros 50% da cota parte de ICMS serão divididos entre os municípios que fornecem madeira para a fábrica, inclusive Ortigueira. São eles: Cândido de Abreu, Congoinhas, Curiúva, Imbaú, Reserva, Rio Branco do Ivaí, São Jerônimo da Serra, Sapopema, Telêmaco Borba, Tibagi e Ventania. 

Cabe ressaltar que a fórmula utilizada para a divisão do ICMS é complexa e vai envolver, além do valor adicionado do ICMS, variáveis econômicas e sociais de cada município. 

O objetivo do Governo do Paraná é que o investimento traga benefícios também para os municípios menores, que fornecem matéria-prima e que sofrem baixo desenvolvimento econômico. A previsão é que a fábrica gere, por ano, R$ 300 milhões em impostos estaduais, federais e municipais.

SOCIAL E INFRAESTRUTURA - Com 14 mil habitantes, a cidade de Imbaú, nos Campos Gerais, espera aumentar sua arrecadação nos próximos anos. O prefeito, Miro Vieira, diz que a meta é elevar a arrecadação de R$ 4 milhões, prevista para o próximo ano, para próximo de R$ 6 milhões até 2019 com os repasses dos ICMS da Klabin. “Esses recursos vão ajudar a cidade a fazer investimentos na área social e em infraestrutura”, diz o secretário municipal de Planejamento, Carlinhos Fontoura.

“O acordo entre o Governo e a Klabin é um avanço muito grande porque até então os municípios eram fornecedores de madeira para a empresa, mas a arrecadação de ICMS ficava com a cidade onde estava a produção de papel e celulose. A atividade não gerava recursos para o município. Agora isso mudou” diz Gimerson de Jesus Subtil, prefeito de Sapopema, no Norte Pioneiro.

Com apenas 6,8 mil habitantes, Sapopema, que fica a 90 quilômetros da fábrica, abriga quatro áreas de reflorestamento para produção de madeira de pinus e eucalipto, que somam cerca de 1,5 mil alqueires, para a Klabin.

“O projeto abre espaço para que esses municípios possam atrair a instalação de empresas processadoras de madeira que hoje são fornecedoras da Klabin, com geração de empregos e mais impostos”, diz. 

Para o município de Cândido de Abreu, a operação da Klabin deve gerar uma receita extra de R$ 100 mil por mês, calcula o prefeito José Maria Reis Júnior. “Para um município que tem uma receita de cerca de R$ 2 milhões, será um acréscimo que vai ajudar muito e poderá ser investido em várias áreas”, explicou. Com 17 mil habitantes, a cidade tem uma economia baseada na produção de grãos e na pecuária. 

PROJETO - A fábrica da Klabin, que começou a produzir em março, já opera a plena capacidade, de 1,5 milhão de toneladas de celulose. Maior investimento da história da fabricante de papel e celulose, a Klabin praticamente dobra de tamanho com o projeto. 

Do total da produção, 1,1 milhão de toneladas serão de celulose branqueada de fibra curta (eucalipto) e 400 mil toneladas de celulose branqueada de fibra longa (pinus). De acordo com a empresa, a área florestal que fornece madeira para a nova fábrica está a 72 km, o que garante a competitividade e o baixo custo do transporte de madeira. Em abril, a fábrica fez a sua primeira exportação, de 20 mil toneladas, para a China.

EMPRESA - Fundada em 1899, a Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do País, com 16 unidades industriais – 15 no Brasil e uma na Argentina- e geração de 16 mil empregos diretos e indiretos. 

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:

Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top