O Paraná solicitou ao Ministério da Saúde mais 100 mil tratamentos Oseltamivir para atender a demanda dos 399 municípios do Estado por conta do aumento dos casos de gripe. O pedido foi feito nesta semana devido à chegada do inverno e ao crescimento do número de notificações de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG). Até esta quarta-feira (22), foram confirmados 725 casos de SRAG por Influenza – 57 a mais que na semana anterior. Destes, 671 são por H1N1.

“Estamos alertas para o aumento de casos de gripe no Estado. A baixa nas temperaturas tem favorecido o crescimento de síndromes respiratórias. É importante que a população esteja atenta aos sinais de gripe, como febre, dor de garganta forte, tosse, dor de cabeça, mal-estar geral, podendo apresentar dificuldades respiratórias, e que procure o atendimento médico rapidamente”, ressalta o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

De acordo médica Júlia Cordellini, chefe do Centro de Epidemiologia da Secretaria Estadual da Saúde, o início do tratamento com o Oseltamivir (Tamiflu) em até 48 horas depois do agravamento dos sintomas é muito importante e faz toda a diferença para a recuperação do paciente. “A Secretaria da Saúde disponibilizou até o momento aos municípios 221 mil tratamentos Oseltamivir e tem feito junto ao Ministério da Sáude todo o esforço para garantir o estoque em níveis adequados para atender à população paranaense”, completa Júlia.

TRATAMENTO – O Oseltamivir, medicamento para tratamento dos vírus da Influenza, é disponibilizado gratuitamente para toda a população pelo Sistema Único de Saúde. A orientação é de que ele seja receitado a todos os casos suspeitos da doença, mesmo sem o diagnóstico laboratorial, em receituário médico simples de serviços públicos e privados.

Dados da Secretaria da Saúde apontam que 70% dos pacientes que morreram por SRAG Influenza não receberam a medicação em momento oportuno. A superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira, reforça a necessidade da população estar atenta aos sintomas da gripe e procurar rapidamente o serviço de saúde. 

“As pessoas não devem esperar o agravamento dos sintomas para procurar atendimento médico. A atenção deve ser redobrada em pacientes fragilizados, como idosos, ou que possuem alguma comorbidade, como diabéticos ou hipertensos”, enfatiza a superintendente.

ÓBITOS – De acordo com Cleide, a maior parte dos óbitos por gripe confirmados no Estado é referente a pacientes com alguma doença crônica e maiores de 60 anos. Até esta quarta-feira (22), foram registradas 116 mortes por gripe no Paraná, sendo 105 por H1N1. 

Os óbitos estão distribuídos por 18 Regionais de Saúde (RS): 

1ª RS – Paranaguá: 4 mortes 

2ª RS – Metropolitana de Curitiba: 27

3ª RS – Ponta Grossa: 9

4ª RS – Irati: 3

5ª RS – Guarapuava: 2 

7ª RS – Pato Branco: 1 

8ª RS – Francisco Beltrão: 7 

9ª RS – Foz do Iguaçu: 16 

10ª RS – Cascavel: 5

11ª RS – Campo Mourão: 6 

12ª RS – Umuarama: 2

15ª RS – Maringá: 11

16ª RS – Apucarana: 5 

17ª RS – Londrina: 6

18ª RS – Cornélio Procópio: 4 

19ª RS – Jacarezinho: 2

20ª RS – Toledo: 5 

22ª RS – Ivaiporã: 1 

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em: 

Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top