Todos devem ter ouvido falar sobre o curioso caso do sujeito de Maracajú/MS que tentou apagar a tocha olímpica quando esta era conduzida pelas ruas de sua cidade. A tentativa acabou frustrada e o rapaz, preso.

As notícias mais recentes dão conta que o jovem foi preso pelo crime de Dano Qualificado ao patrimônio público e que pagou R$ 1.000,00 de fiança para ser posto em liberdade.

Pois bem.

Não conheço o jovem e nem sou advogado dele, mas entendo que a conduta não poderia ser tipificada desta forma, senão vejamos.

O crime em questão consta no Código Penal com o seguinte teor:


“Dano

Art. 163 - Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia:

Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

Dano qualificado

Parágrafo único - Se o crime é cometido:

(...)

III - contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista;”

Primeiro, é necessário frisar que, no caso, o termo correto é Dano Qualificado na forma tentada, já que não houve consumação do objetivo, que era apagar a tocha olímpica.

Mas, supondo que tivesse sido atingido o objetivo principal, para entendermos que houve o crime de dano, é preciso compreender que apagar uma tocha é igual a destruir, inutilizar ou deteriorar ela, além, claro, de entender que a tocha é patrimônio de outrem.


Assim, é necessário ter em mente que destruir significa aniquilar, destroçar, estraçalhar. É uma ação que está ligada à essência do objeto. O ato de apagar uma tocha não a destrói, portanto, não houve destruição do bem.

Ainda, temos que inutilizar também se liga à essência do bem, mas no sentido de eliminar sua funcionalidade objetiva, ainda que sem destruí-lo. No caso em concreto, a tocha apagada seria considerada inutilizada caso não pudesse ser mais ser acendida, o que me parece pouco provável.

Por fim, deteriorar significa estragar, levar o bem ao estado de ruína ou decomposição. Mais uma vez, a deterioração da tocha olímpica se daria caso a água tivesse a propriedade de estragar o bem, o que também não me parece correto afirmar.

Desta forma, não vejo conduta criminosa, embora moralmente reprovável, do rapaz ao tentar apagar a tocha olímpica. Do contrário, um indivíduo que assoprasse uma vela de procissão teria de ser preso e julgado pelo mesmo crime (sendo que bastaria acender a vela novamente).

Superada esta parte, me questiono ainda se a tocha olímpica poderia ser tratada como patrimônio público, já que estes são definidos como os patrimônios pertencentes à Administração Pública direta e indireta. Em uma análise mais aprofundada, pode-se argumentar que a tocha olímpica é um patrimônio cultural da humanidade, mas ainda assim, não consta no rol da qualificadora do inciso III acima transcrito, o que implica dizer que não há a qualificadora em questão.

Diante de toda exposição acima, entendo que a prisão e arbitramento de fiança é exagerada. Embora reprovável, a ação do rapaz não é penalmente relevante, não tem tipificação, logo não existia motivo para mantê-lo privado de sua liberdade.

Guilherme Signorini Feldens - advogado

OAB/MS 16.159
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top