Mesmo com a crise econômica, as pequenas empresas do Paraná ampliaram sua presença no mercado externo nos últimos anos. Levantamento do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) mostra que, em 2010, o Paraná tinha 1.358 pequenas empresas exportadoras – com vendas externas de até US$ 1 milhão por ano. No ano passado, esse número estava em 1.575 empresas, um crescimento de 16% no período. 

A pesquisa toma como base dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. 

O avanço das empresas de pequeno porte do Paraná no Exterior supera a média nacional. No mesmo período, o número de pequenos exportadores passou de 16.176 para 17.380 no país, alta de 7,4%. 

O Estado ocupa a terceira posição entre as unidades da federação com maior número de pequenos exportadores, atrás apenas de São Paulo e Rio Grande do Sul, à frente de Rio de Janeiro e Minas Gerais. Entre 2010 e 2015, a participação no Paraná no total de pequenos exportadores do País nacional saltou de 8,4% para 9,1%. 

“O Paraná tem uma tradição exportadora e empreendedora, o que ajuda a explicar esse destaque maior em termos nacionais. A participação das exportações sobre o PIB (Produto Interno Bruto) é de 13% no Paraná, contra uma média de 10% no Brasil”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor presidente do Ipardes. 

“O interessante é que as pequenas empresas estão se apropriando do câmbio mais favorável para exportar mais e compensar a retração no mercado interno. E o impacto social dos pequenos é maior, porque são grandes geradores de emprego”, acrescenta. 

ABRINDO MERCADOS – A fabricante de cachaça paranaense Porto Morretes, que atualmente exporta entre 70% e 80% da sua produção aos Estados Unidos, é um exemplo de como as empresas pequenas estão conseguindo abrir mercado no Exterior. 

A empresa, que fabrica de 60 mil a 70 mil litros de cachaça por ano, se prepara para fazer sua estreia no mercado europeu ainda esse ano. 

“Nosso começo foi difícil, mas abrimos mercado com viagens, visitas a feiras e contatos de redes de importadores”, diz Fulgêncio Torres, um dos fundadores da empresa, criada em 2003 em Morretes, no litoral do Estado. 

Hoje a empresa vende cachaça premium para redes de bares e restaurantes nos Estados Unidos onde é usada para fazer coqueteis. As exportações somam US$ 400 mil por ano. 

Com apoio do BRDE e da Fomento Paraná, a empresa investiu, há três anos, na ampliação da sua infraestrutura. “Investimos para ampliar nossas instalações e equipamentos e chegamos a exportar com prejuízo quando o dólar foi a R$ 1,60. Agora, depois do mercado interno capotar, exportar é a única saída”, diz. O objetivo da empresa é crescer de 20% a 30% ao ano e ampliar o número de funcionários de 15 para 20 até o fim do ano. 

DÓLAR FAVORÁVEL - O levantamento do Ipardes mostra que o maior salto no número de pequenos exportadores se deu no ano passado, quando as empresas começaram a se beneficiar do dólar mais favorável. O número passou de 1.431 para 1.575. Um dado relevante, de acordo com Suzuki Júnior, é que esses exportadores são dos ramos mais diversos, de confecções a madeireiras, passando por fabricantes de metais, plástico, eletrodomésticos, computadores e companhias ligadas ao agronegócio. 

Para 2016, o câmbio mais favorável traz boas expectativas para os exportadores. “Tudo indica que nesse ano o Paraná reverte os dois anos consecutivos de queda nas exportações”, diz Julio Suzuki Júnior. 

No acumulado do primeiro quadrimestre, as exportações totais do Paraná cresceram 10,88% em relação ao mesmo período do ano passado e totalizaram US$ 4,86 bilhões. 



Microempresas exportaram US$ 21 milhões 

As microempresas paranaenses exportaram US$ 21 milhões no Paraná em 2015, 18% mais do que os R$ 18,1 milhões exportados em 2014, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Em 2015, eram 509 microempresas exportadoras no Paraná, 100 a mais do que o número de 2014. 

Pelos critérios do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, um estabelecimento é considerado microempresa quando apresenta até 10 empregados e exporta até US$ 400 mil por ano, no caso do setor industrial. Já no segmento de comércio e serviços, a delimitação da microempresa tem como critério um quadro funcional de até cinco empregados e exportações anuais de até US$ 200 mil. 



BRDE já investiu R$ 575 milhões desde 2011 no apoio a micros e pequenas 

A agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vem ampliando seu apoio às pequenas e microempresas. Entre 2011 e 2015, foram R$ 575 milhões em contratações em todas as regiões do Estado. Em 2011, o banco havia emprestado R$ 85,5 milhões, volume que saltou, no ano passado, para R$ 122 milhões, aumento de 42% no período.

“Faz parte da missão do banco apoiar as pequenas e microempresas, por sua importância econômica e social. É uma forma de o BRDE levar a sua atuação a todo o Estado”, diz Everson Almeida Leão, gerente de operações adjunto para as áreas de pequenas e microempresas. 

O aumento dos volumes é reflexo também da decisão estratégica de montar uma equipe específica para atender esse público. “Atualmente são 11 pessoas no grupo, que auxilia não apenas nos financiamentos e no apoio técnico, mas também na formatação dos projetos e que caminha junto com as empresas. Um dos trabalhos é desmitificar a ideia que pequenas e microempresas não conseguem ter acesso a linhas de longo prazo. Isso está mudando”, diz. 

LINHA ESPECIAL - Além das tradicionais linhas de financiamento para pequenas e médias empresas, o BRDE trabalha com uma linha de financiamento para a produção de bens com o objetivo de exportação, o BRDE EXIM. 

Leão diz que a linha pode financiar até 80% do compromisso de exportação da micro ou pequena empresa e o prazo para pagamento pode chegar a três anos, dependendo do segmento. A taxa de juros em média é de 1,3% ao mês.
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top