O ministério de Temer vem sendo dividido em duas partes: a técnica (econômica) e a política. Elogia-se a primeira e há muita preocupação com a segunda. Ambas, no entanto, possuem duas coisas em comum: (a) as duas ameaçam nossas carteiras; (b) as duas estão aí para promover a manutenção de um modelo extrativista de sociedade que vigora no Brasil desde sempre.

Jucá (PMDB-RR) já foi defenestrado e substituído, por ora, por Dyogo Oliveira, que já foi investigado na Zelotes. Pela gravidade da fala, Jucá deveria ser cassado pelo Senado (vamos ver). A lua de mel do governo Temer, em razão do escândalo Jucá, durou muito pouco.

O que a Lava Jato foi para o lulopetismo (fator de imensa instabilidade) está se repetindo no governo Temer. Todos os que alertaram Temer dos riscos do seu governo foram desconsiderados em, às vezes, até debochados. Não era o momento certo. Vivia-se a catarse do impeachment. Nessa hora, não temos olhos para ver nem ouvidos para ouvir. Silêncio e respiração pausada. Não há espaço para mais nada. Deixem o “homem” governar (se dizia).

Mas os ecos da barulheira cleptocrata já recomeçaram. A instabilidade será infernal e não há governança no mundo que resiste a um intenso ataque, como a da Lava Jato, com a economia em crise. Se o lado político do ministério afetar o lado econômico, o governo Temer não prosperará.

Quando todo mundo está ganhando a rapinagem é tolerada e muitas vezes nem sequer alardeada pela mídia financista (veja o período do Lula). Agora estamos em tempos de vacas magras. Qualquer deslize, pode ser fatal. A sociedade já não tolera governos corruptos. Ela quer seriedade, competência e honestidade.


Dizem que o ex-presidente da Transpetro (Sérgio Machado) gravou outros áudios (com Renan e Sarney). Tudo faz parte da sua delação premiada (que está para ser homologada). Novas revelações virão. Elas podem repercutir na cacicagem do Sarney, que fez do filho Ministro.

O ex-tesoureiro do PP (Genu) já está preso. Sua eventual delação seria capaz de eliminar do jogo político uns 40 Ali Babás (incluindo ministros do Temer). O risco ronda seu ministério e suas escolhas (como a de André Moura para líder do PMDB na Câmara).

É incrível como uma simples inovação tecnológica na produção da prova, que era o grande entrave para punir os crimes do colarinho branco, está causando a mais dramática “destruição criativa” (Schumpeter – “toda inovação destrói o obsoleto”) nas elites/oligarquias extrativistas e cleptocratas do Brasil. A inovação destrói o arcaico.

Sem as guilhotinas da Revolução Francesa (1789), vários pescoços estão sendo cortados. Que muitas bandejas sejam preparadas. Cairão muitos: peça por peça. E se o STF acelerar o passo, em 2018 já notaremos grande limpeza. De qualquer modo, a sugestão do ministro Barroso de criar uma Vara Especializada única, em Brasília, para julgar os casos de foro especial é excelente. Respeitar-se-ia nesse caso o duplo grau, com recurso para o STF.

Depois de 516 anos, o modelo extratitivista (saqueador) e cleptocrata (ladrão) se esgotou. Saturamento absoluto. Por consenso ou por revolução (que se imagina não violenta), algo novo vai surgir depois do colapso completo do modelo societário e institucional engendrado no Brasil pelos senhores de engenho e o governo fiscalista português.

As elites/oligarquias sempre temeram a educação de qualidade do povo, as inovações das revoluções industriais assim como a evolução tecnológica: sabem que, se difundidas massivamente em toda juventude brasileira, elas perderão seus poderes absolutistas e seus enriquecimentos politicamente favorecidos, com o risco de se desnortearem como os taxistas que estão sem piso diante do Uber.

Mas esse medo deveria ser transformado em ousadia. Tais elites/oligarquias deveriam levar adiante esse grande projeto nacional, restringindo naturalmente seus poderes e privilégios (sem necessidade das revoluções violentas, que ocorreram na Inglaterra em 1688 e na França em 1789).

As elites/oligarquias econômicas e políticas, extrativistas e cleptocratas, ao longo dos cinco séculos, foram caindo umas atrás das outras, sem abandonar a autocomplacência, o silêncio ou mesmo a pusilanimidade diante da situação de extrema insegurança e exclusão da maioria (leia-se: dos espoliados).

O político governante, sempre mancomunado com as elites econômicas (Jucá, Gutierrez, Renan, Mendes Júnior, Lula, Odebrecht, Cunha, Samsung/Mitsui, metrô de São Paulo, Siemens, Alston etc.), salvo em raros momentos, mira para o nada, para o vazio, para a indiferença.

Até pouco tempo, as velhas e desgastadas normas não passavam disso, de velhas, obsoletas e ultrapassadas, porque feitas e aplicadas sob medida para a preservação dos poderes e privilégios concedidos aos poucos dominantes. Todos sabíamos, no entanto, das suas insuficiências.

Nada se modifica. E quando se modifica o sistema extrativista e cleptocrata é para que tudo fique como está (leopardismo político e jurídico). Incontáveis rebeliões e sedições, sendo gritos dos injustiçados, nunca passaram no Brasil de notas de rodapé da História (sempre contada pelos vencedores).

É o sistema, para os néscios ouvidos e os cegos olhos dos que não querem ver nem ouvir (Veiga Copo). Difunde-se a cultura da irresponsabilidade coletiva, da especulação, da usurpação, do parasitismo, do saqueamento e da volatilidade incomensurável.

A vida conspícua é para triunfadores, mas triunfadores sem glória, com patrimônios politicamente favorecidos, para não dizer cleptocratamente surrupiados.
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top