Por 367 votos a favor e 146 contra, incluindo as abstenções, a Câmara dos Deputados decidiu dar continuidade ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A partir de agora, cabe ao Senado Federal julgar o processo que acusa Dilma de crime de responsabilidade ao ter praticado as chamas pedaladas fiscais, como é conhecida a prática de atrasar repasses a bancos públicos a fim de cumprir as metas parciais da previsão orçamentária. A sessão que decidiu sobre o pedido de afastamento da presidente foi iniciada às 14h. A votação do processo, no entanto, começou por volta de 17:40h, porque antes, o relator do impeachment na Comissão Especial da Câmara, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), defendeu o parecer, escrito por ele, favorável ao impedimento da presidente da República. Em seguida, os líderes partidários, recomendaram voto aos parlamentares. O primeiro deputado a votar foi Washington Reis (PMDB-RJ), que estava doente e, por isso, teve prioridade. O congressista votou pelo prosseguimento do impeachment. O presidente do PR, partido que decidiu votar contra o afastamento da presidente Dilma, deputado Alfredo Nascimento, anunciou, durante o voto, que vai deixar a presidência do partido para votar a favor do processo contra a petista.
“Majoritariamente, o partido decidiu encaminhar o voto não. Em respeito ao meu partido, aos meus colegas parlamentares, eu quero comunicar a esta casa que renuncio ao meu mandato de presidente nacional do Partido da República porque entendo meu voto de forma diferente e majoritariamente o povo do meu estado do Amazonas vota pelo impedimento. Eu voto sim, presidente.”

Por volta de 21:30h, mais da metade dos parlamentares já haviam votado, entre eles, o presidente da casa, Eduardo Cunha, do (PMDB-RJ). O parlamentar usou poucas palavras para se declarar favorável ao impeachment de Dilma.
“Que Deus tenha misericórdia desta nação. Eu voto sim.”

O voto que decretou a continuidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi dado pelo deputado Bruno Araújo (PSDB-PE). Contando com a decisão do parlamentar, 2/3 dos deputados se declararam a favor do impeachment, número necessário para o prosseguimento do pedido. Durante o voto, Bruno Araújo disse que dá voz dele saia o grito de esperança de milhões de brasileiros.
"Quanta honra o destino me reservou. De poder da, minha voz, sair o grito de esperança de milhões de brasileiros. Pernambuco nunca faltou ao Brasil. Carrego comigo nossas historias de luta pela liberdade e pela democracia. Por isso digo ao Brasil sim para o futuro."
O pedido de impeachment da presidente Dilma vai ser analisado agora pelo Senado Federal que pode manter a decisão dos deputados e instaurar o processo ou arquivar as investigações, sem analisar o mérito das denúncias. Caso o Senado concorde com a decisão da Câmara, a presidente da República é afastada por 180 dias, enquanto durar a análise do mérito das acusações contidas no pedido de impeachment.



Reportagem, João Paulo Machado
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top