Quase um milhão e 605 mil imóveis em 388 municípios do Paraná receberam a visita de agentes de saúde e de equipes militares para identificar focos de Aedes aegypti e orientar a população sobre as medidas de combate ao mosquito. Desse total, cerca de 532 mil foram visitados, mas não foram vistoriados, ou porque estavam fechados, ou porque os moradores se recusaram a receber os profissionais. Os números fazem parte do balanço do Ministério da Saúde sobre a primeira fase da mobilização nacional para o combate ao Aedes aegypti, ocorrida entre o início de janeiro e o dia 29 de fevereiro. A segunda etapa começou em primeiro de março. Ao todo, 93% das cidades brasileiras notificaram as visitas ao Sistema Informatizado de Monitoramento da Presidência da República (SIM-PR). Isso significa cinco mil cento e sessenta e quatro do total de cinco mil quinhentos e setenta municípios em todo o território nacional. O Aedes é o transmissor da dengue, da chikungunya e do vírus Zika. De acordo com o governo federal, a melhor forma de combater o mosquito é não deixar com que ele nasça. Por isso, a participação de todos é muito importante para evitar a proliferação e acabar com os criadouros. Como o mosquito nasce em locais que acumulam água parada, a recomendação do ministro da Saúde, Marcelo Castro, é fazer, toda a semana, uma faxina para exterminar possíveis focos do mosquito em casa, quintais e áreas externas. Receber os agentes de saúde ou as equipes militares também é fundamental. Existem cerca de quatro mil agentes de endemia no Paraná, todos capacitados para orientar os cidadãos em relação ao mosquito. De acordo com o Ministério da Saúde, Paranaguá é uma das cidades que mais sofre com a infestação do Aedes, no estado. Para saber mais, acesse: combateaedes.saude.gov.br
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top