O aumento do consumo e investimentos em expansão de abatedouros estão alavancando o cultivo de peixes no Paraná. A produção deve crescer 22% em 2016, para 110 mil toneladas, de acordo com estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento.

A produção de pescados no Estado somou 90 mil toneladas no ano passado, 18% acima do volume registrado em 2014. Se confirmado, o avanço de 22% previsto para o Paraná em 2016 será o maior do País. Para o Brasil a previsão é que a produção de pescados cresça 15% nesse ano.

O cultivo de peixe no Paraná, concentrado na região Oeste, é fonte de renda de pequenos produtores, que investem principalmente na criação de tilápia. “A piscicultura ainda é uma atividade pequena no Estado, mas que está em franco desenvolvimento. O movimento começou com o advento dos pesque-pague na década de 1990 e, depois, com campanhas de fomento e investimentos em abatedouros”, diz Edmar Gervásio, técnico do Deral responsável pelos estudos no setor. 

Maior produtor do Estado, o município de Maripá, na região Oeste, aumentou em 27% a produção de peixes em 2015, para 6,65 mil toneladas. Atualmente são 89 famílias envolvidas diretamente com a atividade. O principal destino dos peixes são os cerca de 18 frigoríficos de pequeno, médio e grande porte em atividade na região, que compram 80% da produção dos piscicultores. Os 20% restantes são vendidos para outros Estados, como São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

“A produção cresce com a combinação da boa rentabilidade da atividade nos últimos anos com a expansão dos abatedouros”, diz Cesar Ziliotto, chefe do Instituto Emater em Maripá. A empresa de assistência vem trabalhando com os piscicultures para aprimorar a tecnologia de produção, com acompanhamento dos custos e construção dos viveiros. O apoio técnico tem garantido maior produtividade. “Há potencial para a região dobrar a produção nos próximos cinco anos”, diz. 

INVESTIMENTOS – Pelo menos dois grandes investimentos de cooperativas devem impulsionar a produção de peixes no Estado. A Copacol, que em 2008 inaugurou seu abatedouro em Nova Aurora, tem planos de dobrar a produção – para 140 mil tilápias por dia – até 2018. A cooperativa está investindo R$ 80 milhões na expansão. A ideia é dar alternativas de renda para o cooperado. Hoje são 170 cooperados integrados na produção de peixes. O objetivo, de acordo com a Copacol, é que esse número chegue a 300 em 2018. 




A C.Vale, de Palotina, prepara sua estreia no setor e iniciou a construção de um abatedouro de peixes com recursos de R$ 80 milhões. A cooperativa vai processar, inicialmente, 50 toneladas por dia. O complexo, que deve ser inaugurado no primeiro trimestre de 2017, vai ficar junto ao parque avícola da cooperativa e gerar 250 empregos diretos. 

DIVERSIFICAÇÃO – O cultivo de peixes ajuda a diversificar a renda do produtor rural, com a combinação com outras atividades, como pecuária e grãos. O produtor Arlindo Schach, de 63 anos, trabalha com piscicultura há 35 anos, em Maripá, e boa parte desse tempo combinou o cultivo de peixe com a lavoura de soja e milho. Ele diz que o mercado para o peixe melhorou muito nos últimos quatro anos. 

“Hoje a renda está pior por conta dos preços da ração. Mas os investimentos que as cooperativas estão fazendo vão trazer novas tecnologias e aumentar a produção nos tanques”, diz ele, que produz 150 toneladas de peixe por ano. Toda a produção tem como destino um frigorífico em Nova Prata do Iguaçu, a 176 quilômetros de Maripá. 

Preço incentivou expansão nos últimos anos 

A valorização dos preços foi um dos estímulos à produção de peixe no Estado nos últimos anos. Entre 2011 e 2015, o preço por quilo da tilápia subiu, em média, 42,1%. Atualmente o quilo é vendido no varejo a R$ 30,00, valor superior à maioria dos cortes de carne bovina, por exemplo. “Mas apesar da valorização, a atividade sofre com pressões nos custos dos insumos importados, impactados pelo dólar alto”, diz Edmar Gervásio, técnico do Deral.

O aumento dos preços de insumos, como energia e rações, diminuiu a rentabilidade média dos piscicultures de Maripá de 25% a 30% para entre 15% e 20%, de acordo com Ziliotto, da Emater. “Houve perda de rentabilidade, mas ainda assim a atividade é lucrativa para quem tem alta produtividade”, diz. 

O consumo de peixe vem crescendo no Brasil e hoje está próximo de nove quilos por ano, mas ainda está abaixo dos 12 quilos por ano recomendados pela FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. 

A piscicultura no Estado gera um Valor Bruto da Produção (VBP) de R$ 425,6 milhões por ano, de acordo com dados mais recentes do Deral, referentes a 2014. O núcleo de Toledo, que reúne 21 municípios da região Oeste, responde por 33% desse valor, seguido por Paranaguá, com 21%, e Cascavel, com 14,1%. 

Além dos peixes, o Paraná produz, em média, 169 mil dúzias ostras, 196 mil dúzias de caranguejos e 3,65 milhões de unidades de peixes ornamentais por ano. A tilápia, espécie originária de Ásia, representa 74% da produção de pescados no Paraná.

 Produção avança no reservatório de Itaipu

A piscicultura também cresce na área do reservatório da Usina Hidrelétrica de Itaipu. Desenvolvido pela empresa desde 2003, o projeto ganhou fôlego no ano passado, quando o Ministério da Pesca e da Aquicultura liberou o cultivo de tilápia em tanques-rede nos braços dos reservatórios.

A liberação era um pleito antigo dos pescadores da região que, até então, só podiam cultivar espécies nativas do Rio Paraná, como o pacu. O projeto, de acordo com a empresa, envolve diretamente 63 pescadores e a Comunidade Indígena Ocoy, onde residem 153 famílias. 

De acordo com o engenheiro agrônomo Irineu Motter, 50% da produção já é de tilápia nos reservatórios. O Ministério da Pesca e Aquicultura liberou 60 títulos de cessão de uso para pescadores artesanais nos parques aquícolas São Francisco Verdadeiro, São Francisco Falso e Ocoi. Cada título pode produzir 40 toneladas por ano de pescado e, juntos, poderão produzir até 2.400 toneladas por ano. De acordo com Motter, há muito espaço para explorar a piscicultura no reservatório. A produção atual, por meio de cultivo, é de 140 toneladas por ano de pescado.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em: http:///www.facebook.com/governopr ewww.pr.gov.br
Reações:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

 
Top